24 outubro 2008

A ARTE DE John Crosley

John tem seu estúdio em Londres e leciona na Universidade de Leeds na Escola de Belas Artes, História da Arte e Estudos Culturais. Ele tem trabalhos expostos em várias cidades, incluindo Leeds, Londres, Dublin, Paris e Brno. Embora ainda uma licenciatura na Universidade de Leeds John era um membro de Leeds 13 O grupo de artistas que primeiro notoriedade alcançada quando os meios de comunicação amplamente noticiada a sua "Going Places" projecto de 1998 que envolvem uma viagem simulada a Malaga.The grupo seguiu este projecto com «O Grau Show 'no ano seguinte e, em seguida, dois meses um artista da residência em Paris. John mostrou a Artifactuality pinturas em Leeds Galeria de Arte da Cidade de 11 de março - 28 de maio de 2006.
ESTA E DEMAIS FOTOS DE John Crosley CLICK NO LINK ABAIXO:

Sensualidade Molhada















Imagens submarinas

Algumas belissimas imagens submarinas





Veja mais imagens aqui

23 outubro 2008

William Frederick Cody e Tatanka Iyotake

Buffalo Bill e Touro Sentado

Aves




foto OBJETIVA do dia


Dica OBJETIVA

A ESCOLA DEFINITIVA DE FOTOGRAFIA
O projeto da escola foi desenvolvido pelos professores Patrícia Gatto, Rodrigo Zugaib e Thales Trigo - todos com experiência em ensino - e especialistas no ensino da Fotografia em diversos níveis.
A FULLFRAME tem como proposta oferecer aos fotógrafos profissionais e aos interessados por fotografia uma formação que equilibra conceitos teóricos com atividades práticas, cuja prioridade é o aprendizado consistente.
Nos cursos oferecidos pela FULLFRAME, a proposta fundamental é a instrução sólida e coerente para o aluno. Neles, todos os conceitos e práticas da fotografia digital podem ser absolutamente compreendidos pelos fotógrafos ou futuros fotógrafos.
O próprio nome da escola foi escolhido com um propósito didático, muito além de um termo em moda, e que é erroneamente usado no mercado. Venha descobrir nossos cursos, e o que esta palavra significa de fato!
FULLFRAME, a escola que o mercado esperava

Eu vi o Bill

Um flagrante comum: Meu Brother Bill em mais um Flash

22 outubro 2008

Araquem Alcantara

Araquém Alcântara, de São Paulo, é um dos precursores da fotografia de natureza no Brasil e um dos mais importantes fotógrafos da atualidade.

Trabalho
Dedica-se desde 1985 à documentação do povo e da natureza brasileira. Da sua produção constam:
16 livros
18 livros em co-autoria
3 prêmios internacionais e 32 prêmios nacionais
56 exposições individuais e 25 exposições coletivas
inúmeros ensaios e reportagens para jornais e revistas do Brasil e exterior
Entre 1987 e 1998, o fotógrafo percorreu todos os parques nacionais brasileiros, deste trabalho surgiu sua mais celebre obra, Terra Brasil (Editora Melhoramentos-1997) tornou-se o livro de fotografia mais vendido no Brasil nos últimos tempos, com mais de cem mil exemplares vendidos.
Produziu a capa do livro "Unknown Amazon" para o The British Museum em 2001 e fotos para a exposição de mesmo nome. É o primeiro fotógrafo brasileiro a produzir um trabalho inédito para a National Geographic, a edição especial de colecionador "Bichos do Brasil".
Atualmente prepara a publicação de três novos livros:
"Brasileiros" "Bichos do Brasil" "Amazônia, a Floresta do Mundo"

A fotografia significa um caminho de auto-conhecimento, uma poderosa arma de encontrar o mundo, de refletir e interpretar a tormentosa caminhada dos homens. Eu e a fotografia: farinha do mesmo saco.


Não consigo me imaginar sem a Nikon e a Leica na mão, sem as águas claras e correntes, sem as matas, onde o tempo só existe em relação à eternidade, sem estes rostos anônimos dos ermos, desses horizontes improváveis da Terra Brasil. Fotografia é serva da beleza, oxigênio puro."
Araquém queria ser jornalista, quem sabe escritor...


"Uma noite, no primeiro ano da faculdade, fui ver um filme japonês em que as pessoas não falavam, só o som da água, do remo, da enxada na terra, da trovoada, da chuva... Era A ILHA NUA, de Kaneto Shindo, um clássico maravilhoso. Aos poucos fui sendo tomado. Saí da sessão maldita, organizada pelo grande Maurice Legeard, literalmente abalroado, a imagem pura, síntese do dizer. Estava totalmente incomodado, mas havia algo novo dentro de mim. No dia seguinte pedi uma câmera fotográfica emprestada a uma amiga (Marinilda Dias da Silva) e saí pelo cais e pela 'boca' de Santos, clicando obsessivamente. Daí então, não parei mais."

"Fotografia é, sobretudo, percepção e o conhecimento da luz só vem depois de muito castigar os olhos, depois de muito andar. A faculdade ou o conhecimento teórico deve servir apenas para abreviar o caminho, para solucionar os segredos básicos, depois é aprender a ver, a escolher, a sintetizar. O exercício criativo é contínuo e sem fim, a verdade nova nega a anterior. As portas da percepção têm que estar constantemente abertas. O aprendiz que quer dizer alguma coisa nova tem que escolher o caminho com o coração, absolutamente íntegro e contemplar como pessoa inteira tudo o que é vivo. O exercício constante do ato de ver lhe dará, um dia, o encontro com a beleza. E a beleza é a verdade, já dizia o poeta..."

"Lembro do seqüestro de que fui vítima no sul do Pará, no rio Curuá. Estava descendo o rio desde a serra do Cachimbo e fui preso pelos índios caiapós mengranotire, junto com assistente, barqueiro e dois guias. Poderíamos ter morrido se não pagássemos resgate de R$800,00 e mais 150 litros de gasolina. Os índios estavam em pé de guerra porque tinham perdido sua grande fonte de sustento fácil: a comissão de dez por cento dada pelos garimpeiros de rio e de terra e pelos madeireiros de mogno. Eram índios bandidos, que não plantam, não caçam e não pescam mais. Estávamos atravessando o rio, próximo a suas terras, justamente alguns dias depois de uma blitz da Polícia Federal, Ibama e FUNAI. E isso, infelizmente, só acontece uma vez em cinco anos."
Araquém traz influência da fotografia de Cartier Bresson, Ansel Adams, Walter Firmo...

Cristiano Mascaro (fotógrafo e arquiteto brasileiro)

Fotógrafo Brasileiro, Nascido em 22 de outubro de 1944, em Catanduva, São Paulo. Arquiteto formado,é o mais importante fotógrafo da urbe e da arquitetura da capital paulista, que documenta sistemáticamente há mais de duas décadas. Obteve o grau de mestre em 1986 e de doutor em 1995, ambos pela Universidade de São Paulo (FAU/USP), onde dirigiu, entre 1974 e 1988, o Laboratório de recursos Áudio-Visuais. Iniciou sua carreira fotográfica na revista VEJA em 1968 nela permanecendo nos quatro anos seguintes. Atua desde então de forma independente. É autor dos livros Cristiano Mascaro: → As melhores fotos(1989); e → Luzes da cidade(1996).